Pesquisar este blog

domingo, 28 de março de 2010

amor em foco


Unção no namoro
Já comece fazendo a diferença

O livro de 2 Coríntios 6:14, traz algo bastante interessante para os jovens cristãos que pensam namorar pessoas fora da fé. “Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas?”

Embora a sociedade moderna lute acirradamente para mudar conceitos e valores comportamentais, não é antiquado que um rapaz peça autorização aos pais de uma moça para começar a namorá-la. A atitude compreende educação, respeito e carinho.

As regras estabelecidas pelos pais precisam ser compreendidas e acatadas pelos filhos. É claro que nesse trâmite é necessário diálogo para que haja harmonia e bom relacionamento entre pais e filhos.

Algumas sugestões, como limitar a visita do rapaz em dois dias, para o namoro, embora possam parecer caretas, são atitudes sábias para resguardar a vida escolar de ambos. Ainda mais se forem adolescentes.

Tanto os pais do rapaz quanto os da moça precisam saber sempre onde estão os seus filhos, além de com quem estão e a que horas retornam para casa. É importante terem pelo menos um telefone de contato, seja celular ou fixo para casos de emergência.
Namorar em lugares escuros e desertos é pedir para ser assaltado. Sem contar com a tentação da carne que por si só grita para ser saciada. Melhor é se divertir em público, cinema, teatro, restaurante, fast foods, etc.

Os namorados precisam ter ideia, após uns dois meses, de pelo menos o que sentem um pelo outro. Namoro sem projeto e perspectiva de vida, com o tempo, vai ficando desgastado, gerando monotonia e acomodação.

O namoro precisa ser um tempo especial, de brilho. Os jovens devem se conhecer e se preparar para um tempo mais maduro lá na frente. Precisam crescer juntos na vida espiritual. Um ajudando o outro e, de preferência, compartilhando estudos bíblicos e ministério.

Se o namoro tiver perspectivas de noivado, a hora é de sentar e planejar o futuro, tendo sempre em mente que o homem faz planos, mas a resposta certa vem do Senhor.

Se o casamento é o alvo do jovem casal, é preciso pensar no futuro espiritual, financeiro, material e emocional. É imprescindível nessa fase que o rapaz e a moça leiam a Bíblia juntos, orem juntos e busquem em Deus o melhor para as suas vidas.

Intimidades excessivas podem destruir a futura possibilidade de um casamento feliz. O casal de jovens precisa ter o cuidado de não provocar a pessoa amada, no sentido de satisfazer os seus desejos sexuais antes do casamento.

Uma coisa precisa ser esclarecida para a juventude: ter desejos sexuais é um fator natural e saudável. O que o cristão precisa ter é cuidado em relação a esses desejos. E isso só é possível com a ajuda do Espírito de Deus. Observe o que diz a Bíblia no livro de Gálatas 5.16-25. “Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne.Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer. Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais sob a lei. Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia,
idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções,
invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam.
Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade,
mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.
E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências.
Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito.”

.

Agência Unipress Internacional
Nilbe Shlishia

Nenhum comentário:

Postar um comentário