segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Pedofilia e violência sexual

São diversos os problemas e males que afetam diretamente as crianças hoje em dia, principalmente as que nascem de famílias de baixa renda, sem terem sido planejadas, e que se tornam vítima do abandono, da violência e do descaso da sociedade. Às vésperas da data em que se comemora o Dia das Crianças, preparamos uma série de textos que abordam diversos temas deste assunto, convidando todos a uma reflexão.


Fechando os olhos para o abuso sexual

A cada ano cresce mais o número de crianças vítimas desse tipo de violência

“Eu era uma garota feliz, risonha, linda e tudo se transformou a partir da violência que sofri. Eu tinha três anos de idade e lembro que fui estuprada por um homem de mais ou menos 30 anos, amigo do meu pai. Ele me estuprou de verdade. Consumou o ato sexual, e muitos dizem que é impossível ter lembrança dessa idade. Mas lembro muito bem. Lembro de ter sido levada ao médico, de não querer deixar que ele me examinasse, de ter meus órgãos genitais feridos, afinal, eu era uma criança.”

O relato que você acabou de ler é de Ana Carolina, nome fictício de uma jovem que preferiu não se identificar. Além dela, outras milhares de crianças sofrem abuso sexual todos os dias no País. Para se ter uma ideia, somente no ano de 2007 foram contabilizadas mais de sete mil denúncias de abuso sexual. Já no ano de 2009, esse número saltou para quase 10 mil. Apesar do índice alarmante, ainda há muitos casos escondidos na Região Central e, principalmente, no interior do Brasil e que ninguém consegue imaginar.

Ana Carolina, assim como as demais vítimas de violência sexual, prefere optar pelo silêncio. Muitos dos pais decidem-se pelo isolamento. E acreditam que não falar sobre o assunto com a criança vitimada suavizará o sofrimento da família. Foi o que os pais de Ana Carolina fizeram, imaginando que ela não se lembraria de nada quando crescesse. No entanto, o medo foi a presença mais constante na vida da menina que passou a ter uma adolescência conturbada.

Geralmente, a falta de estrutura familiar impede os pais de observarem comportamentos estranhos nos filhos. Em muitos casos, o abusador dorme no quarto ao lado da criança, podendo ser o próprio pai, tio, padrasto, irmão, avô, vizinho ou amigo da família. E o pior é que nem sempre os pais estão atentos a isso. Com Ana Carolina, por exemplo, o segundo estupro ocorreu quando os pais se afastaram. “Meus pais se separaram e passamos por dificuldades financeiras. Foi quando voltei a sofrer outro estupro por uma pessoa que eu conhecia. Mais uma vez o medo, a vergonha, a culpa se apoderaram de mim, e eu não falei para ninguém. Fiquei trancada na minha dor”. Em situações assim, principalmente na sociedade onde vivemos em que o desejo sexual é estimulado em todos os momentos, a atenção e preocupação com as crianças devem ser redobradas, apesar de ser difícil manter os cuidados em uma família desestruturada.

Músicas, novelas, filmes e até desenhos animados estimulam a libido de muitas pessoas predispostas a esse tipo de satisfação errônea com menores, expondo-os a uma prisão perpétua e cruel para as vítimas. Mesmo assim, apesar de todo alerta, muitos pais, principalmente as mães, induzem, talvez de forma inconsciente, as crianças a uma exposição desnecessária do próprio corpo. É aí que entram muitas roupas chamadas infantis, que vestem a criança de uma sensualidade precoce e que retiram delas aquilo que possuem de mais puro: a inocência.

O alerta deve ser de que o abusador sexual não mede esforços para se satisfazer. Ele utiliza o corpo da criança ou adolescente para se saciar sexualmente através do uso ou não da violência física. Com Ana Carolina, por exemplo, aos três anos de idade o ato sexual aconteceu por completo. A penetração que deveria ocorrer em uma mulher adulta fora consumada em uma criança. Mas há ainda quem desnude, toque, acaricie e leve as crianças a assistir ou participar de práticas sexuais de qualquer natureza, sem que os responsáveis sejam sequer punidos.

O pior de tudo é que além de sofrer o abuso, as crianças ainda tenham que conviver com as lembranças, traumas, medos, culpas e complexos de inferioridade, forçando-as a uma ‘marginalização legal’. E além de viverem presas dentro de si, e marcadas física e emocionalmente pelo passado, ainda tenham que conviver com a hipocrisia social de que o mundo, pelo menos para elas um dia vá melhorar.

Por Jaqueline Corrêa

Da redação do Arca Universal

Nenhum comentário:

Postar um comentário