Pesquisar este blog

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

s-e-n-t-i-m-e-n-t-o

S-E-N-T-I-M-E-N-T-O
As situações que vivenciamos expressam-se através dos sentimentos. Os sentimentos, assim, seriam acções decorrentes de decisões tomadas por uma pessoa. Avalie os seus e veja que acções tem tomado na sua vida…

S

Sofrimento: Não há ninguém neste Planeta que nunca tenha passado por uma situação que lhe tivesse causado sofrimento. Contudo, para alguns são apenas situações passageiras, as quais superam com distinção, enquanto que outros chegam até a acreditar que nasceram para sofrer, sendo o sofrimento o denominador comum em todas as áreas da sua vida. Inclusivamente, muitos chegam a sofrer devido a um sentimento ou a uma mágoa que os aprisiona sem que dele(a) se consigam libertar. Porém, saiba que, quanto mais você tolerar o sofrimento na sua vida, mais ele parecerá algo “natural” e difícil de sublevar. Coloque um ponto final no seu sofrimento, reescrevendo a sua história, hoje mesmo!

E

Escravidão: A escravidão, infelizmente, não se trata de uma condição característica de um período histórico ou de um povo, é muito mais do que isso, é o mais opressivo e depressivo estado da alma. E não existe maior escravidão do que aquela que é infligida sobre o espírito humano, pois é a mais difícil de ser superada. Quando uma pessoa está a ser escravizada no seu âmago, a libertação do seu jugo só é possível quando a própria decide dar um passo nesse sentido, dando um basta na situação e procurando essa verdadeira liberdade, obtida apenas pela fé.

N

Nada: Há pessoas que trabalham uma vida inteira e tudo o que conseguem juntar é isso mesmo: nada. E não existe nada mais inglório do que lutar e a distância entre a pessoa e os seus objectivos parecer aumentar cada vez mais, em vez de diminuir. Quando a pessoa nada planta, não fica surpreendida quando também nada colhe, todavia, quando a pessoa planta o seu trabalho, suor, empenho, sonhos e desejos e nada colhe, a situação já se torna exasperante, pois é aí que se começa a instalar a angústia e o desespero. Para contrariar esta realidade, a única atitude a ser tomada é plantar, com fé, as sementes do que se deseja colher, mas não uma fé natural, e sim a sobrenatural, a única cujos frutos colhidos correspondem à semente do que se plantou.

T

Tolera o mal: Tudo na vida é uma questão de hábito… diz o senso comum e, de facto, não são poucos os que levam este ditado ao pé da letra. Por isso, toleram a doença no seu corpo – porque é algo natural e faz parte da vida; toleram a falta de comida no seu prato – porque é um dos sintomas da crise; toleram a solidão ou a infelicidade amorosa – porque é característico dos tempos modernos, ou seja, toleram a actuação e o domínio geral do mal na sua vida – porque viver é estar sujeito a tudo isso. Porém, tolerar o mal é estar sujeito às circunstâncias da vida, algo que é contrário a quem acredita em Deus e vive pela fé, pois esses traçam o seu próprio “destino”!

I

Irracionalidade: Quando se fala em sentimento, habitualmente associa-se a irracionalidade. Assim como os sentimentos que revelamos são a reacção imediata do coração, a fé é o resultado da razão. A fé não é um sentimento e sim o acto de acreditar pensado, pois baseia-se em critérios verídicos, com provas dadas e não em impulsos irreflectidos. É impossível viver pela fé e pelos sentimentos em simultâneo, pois ou estaremos a obedecer a um ou a outro, já que a fé torna-se ineficaz e neutralizada quando imiscuída com as emoções. Por isso, se vai agir pela fé, coloque as suas emoções de parte!

M

Miséria:Quando alguém está na miséria, não há outro sentimento que desperte nos outros que não seja a compaixão. A miséria é o estado mais deplorável da pobreza e privação e, quem nela se encontra, não encontra sequer forças para pedir ajuda, ficando a depender da misericórdia dos outros para sobreviver. No entanto, contar com a caridade dos outros para sobreviver não é nenhum modo de vida e, se tiver que depender de alguém, ao menos que seja de Deus.

E

Engano: Basear a vida em sentimentos, esperando que sejam eles o combustível das próprias acções é viver sem uma direcção concreta. Contudo, não são poucas as pessoas que o fazem, considerando estas mesmas emoções como uma espécie de inspiração. Digo-lhe que esta forma de vida não passa de puro engano, pois os sentimentos, como conselheiros, são ilusórios e desvanecem com muita facilidade, não oferecendo nenhum alicerce sólido para uma vida bem estruturada.

N

Ninguém: Pior do que outras pessoas acharem que nós não somos ninguém, é nós termos essa percepção da nossa própria pessoa. E muitos vivem assim, ano após ano. Sentem-se desproporcionais relativamente à vida, pequenos demais para sentirem que fazem a diferença, seja na vida dos outros, seja na sua. Creia que esta é a forma mais grave de rejeição, quando ela é auto-infligida. Mas saiba que você é tão importante para Deus que, para salvar a sua alma e dar-lhe todas as oportunidades nesta vida, Ele sacrificou o Seu próprio Filho, na Cruz do Calvário, para morrer no seu lugar.

T

Tristeza: É o sentimento mais avassalador e que mais transtorno causa. Quando estamos tristes perdemos a capacidade de acção e de raciocínio. Só conseguimos pensar na nossa tristeza e, como marionetas nas suas “mãos”, deixamo-nos levar por ela. Quebrar o ciclo de tristeza é o primeiro passo para sair dela e passar a viver uma vida feliz. A tristeza ocasional faz parte da vida, agora depende de nós não aceitarmos viver uma vida triste. A vida é uma guerra na qual as batalhas se vencem com esforço!

O

Opressão: Viver oprimido é viver sob a tirania de algo ou de alguém. Na maior parte das vezes, esta tirania é-nos imposta, mas também acontece sermos nós próprios a procurarmo-la ou submetermo-nos a ela. Todavia, seja auto-imposta ou imposta por outrem, existe sempre a possibilidade de você se libertar da mesma. Viver oprimido acaba por ser uma escolha, já que solução para a mesma está ali, sempre presente, ao alcance de todos. Esta chave é a fé!
Por seu servo em Cristo, Bp. Júlio Freitas

Nenhum comentário:

Postar um comentário