domingo, 3 de fevereiro de 2013

Porta da salvação



Mesmo após passar uma noite inteira se drogando, marido aceita o convite da esposa para ir à Universal e tem a vida transformada

Da Redação / Foto: reprodução IURDTV
redacao@arcauniversal.com

“Eu já estava cansada e sensível por conta da gravidez e, por isso, não aceitei me levantar para vê-lo mais uma vez muito louco, alucinado. De repente, eu o escutei me chamar. Pulei da cama, abri a porta e ele já estava pendurado numa forca.”
O relato emocionado de Flávia revela o drama que ela enfrentou no passado, na ocasião em que viu o marido tentar dar cabo da própria vida, utilizando um varal de aço que quase o decaptou.
“Naquele momento eu olhei para o céu e falei: Deus, não pode terminar assim. Eu estou esperando um filho e ele quer ter um pai. Ele tem o direito de conhecê-lo, de brincar e conviver com ele”, lembra ela que, mesmo com uma barriga de 8 meses, teve forças para tirar o marido daquela forca.
Por conta do vício do marido, o casal não tinha sonhos e objetivos de vida, já que ele só queria ficar trancado em um quarto escuro o dia inteiro, sem escutar a voz de ninguém.  O único desejo dele era morrer e, dessa forma, dar sossego à esposa e ao resto da família.
“Foram muitas as madrugas em que eu esperei por ele, que eu ligava no celular dele, mas ninguém atendia. Eu temia pelo tipo de notícia que eu poderia receber. Aos olhos humanos, aquela situação parecia que não tinha mais jeito”, relata.
Porta da Salvação
A mudança começou no dia em que, pela manhã, Flávia chamou o marido para ir com ela até a Universal, mesmo após ele ter passado a noite inteira se drogando. “Deus está de braços abertos para te receber”, disse ela.
Para o casal, foi como se houvesse sido aberta a porta da Salvação. Hoje, ele é um homem restaurado, um marido, pai e filho de verdade.
“Agora posso dizer que eu sou feliz, que tenho um companheiro e que posso contar com ele. Tenho com quem conversar, brincar, e já não tenho mais medo de chegar em casa e encontrá-lo como antes”, comemora.
Flávia acredita que se o marido não houvesse aproveitado aquela oportunidade, talvez ele não estivesse aqui hoje e nem teria visto o filho nascer. “Provavelmente, eu não estaria aqui contando essa história”, conclui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário