Pesquisar este blog

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Carta à igreja em Pérgamo As sete cartas apocalípticas espelham o tipo de cristianismo que temos professado

 
"Ao anjo da igreja em Pérgamo escreve: Estas coisas diz aquele que tem a espada afiada de dois gumes: Conheço o lugar em que habitas, onde está o trono de Satanás, e que conservas o meu nome e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha testemunha, meu fiel, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita.Tenho, todavia, contra ti algumas coisas, pois que tens aí os que sustentam a doutrina de Balaão, o qual ensinava a Balaque a armar ciladas diante dos filhos de Israel para comerem coisas sacrificadas aos ídolos e praticarem a prostituição. Outrossim, também tu tens os que da mesma forma sustentam a doutrina dos nicolaítas. Portanto, arrepende-te; e, se não, venho a ti sem demora e contra eles pelejarei com a espada da minha boca. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe." Apocalipse 2.12-17
A grande cidade de Pérgamo, antiga capital política da Ásia, ficava a cerca de vinte quilômetros ao Norte de Esmirna. Era também um centro literário e uma espécie de sede da cultura helênica.
Era famosa pela sua biblioteca, a mais importante da época, depois da de Alexandria, na Grécia. O pergaminho, suporte para a escrita, muito superior ao papiro egípcio (precursor do papel), foi inventado ali, tomando o nome da cidade.
Pérgamo era ainda a sede do culto ao imperador, existindo a obrigatoriedade de se oferecer incenso diante da sua estátua, como se fosse Deus. E os cristãos da igreja em Pérgamo, que se recusavam a essa prática, eram considerados traidores e, consequentemente, executados.
A cidade era caracterizada pela idolatria, pelo paganismo e pela perversidade, pois havia nela um gigantesco altar a Júpiter, conhecido como "o maior de todos os deuses".
Havia ainda um famoso templo a Esculápio, chamado "o deus da cura" – adorado sob a forma de uma serpente, símbolo de Satanás – ao qual acorria gente de todas as partes do Império. É interessante notar que até hoje o símbolo da Medicina é uma serpente...
Pérgamo pertencia a Lídia, sob o domínio do rei Creso. Após a sua derrota, passou a pertencer ao Império Persa. Mais tarde, passou ao domínio da Macedônia.
Em 264 a.C., tornou-se muito conhecida e ricamente ornamentada capital do reino de Pérgamo. No ano de 133 a.C., pelo testamento do seu último rei, Átalo III, passou a pertencer ao Império Romano. Hoje, esta cidade ainda existe, mas com o nome de Bergama, sendo habitada por gregos e turcos.
A igreja em Pérgamo possui as seguintes características:
1) Habitava no lugar onde estava o trono de Satanás.
2) Conservava o nome do Senhor Jesus Cristo.
3) Não negava a fé no Senhor Jesus, mesmo nos piores dias.
 4) Permitia, por outro lado, que houvesse entre os seus membros aqueles que sustentavam a doutrina de Balaão.
 5) Permitia também a presença daqueles que sustentavam a doutrina dos nicolaítas.
Através dos Evangelhos, o Senhor Jesus ensina aos Seus discípulos e, através deles, a nós. Mas nestas cartas às sete igrejas Ele Se dirige diretamente do Seu trono de glória à Sua Igreja, ou seja, a cada seguidor Seu.
Por isso, cada pessoa verdadeiramente convertida deve tomar estas mensagens e examinar a qualidade do seu cristianismo. As sete cartas apocalípticas espelham o tipo de cristianismo que temos professado.
Qualquer que seja a pessoa convertida, está enquadrada em uma destas cartas. A pessoa pode até ter muitas justificativas para o seu cristianismo sem qualidade; porém, diante do espelho destas cartas, tem a visão correta do seu fracasso espiritual.
É o próprio Senhor Jesus que lhe fala diretamente, de forma curta, clara e transparente. A cada igreja Ele revela outro lado Seu, dependendo do que a igreja em questão necessitava e necessita hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário