Pesquisar este blog

quarta-feira, 21 de maio de 2014

O que fazer quando só ele tem prazer?

A situação é mais comum do que você pensa e o diálogo é essencial para mudar esse quadro

Vocês estão casados, ele trata você superbem, é atencioso e companheiro, mas como anda a vida sexual de vocês? Você está insatisfeita com o seu marido na cama? Quando a relação acaba, você sente como se ela nem tivesse começado? Calma, não é só você que passa por isso. Segundo uma pesquisa recente sobre a vida sexual, feita em 37 países, metade das pessoas que moram no Brasil não estão nada felizes com ela. O maior índice de reclamação é das mulheres: 56%. As principais queixas refrem-se ao desempenho sexual e à falta de prazer.
Foram exatamente esses motivos que fizeram Cleyde M., de 25 anos, fazer greve de sexo com o marido, pois ela não se sentia nada satisfeita. Em busca de ajuda, ela escreveu uma carta ao casal Renato e Cristiane Cardoso e, em seu blog, o palestrante relatou a história do casal. Ela contou que é casada há quatro anos e que as relações sexuais com o esposo duravam de 10 a 15 minutos. “Isso me deixava irritada, ele se satisfazia e eu sempre ficava só na expectativa. Até que chegou um momento que eu falei: ‘Não dá mais, chega! Se você quiser continuar casado comigo, continuamos, mas não temos mais sexo’. Ele respondeu que não queria continuar casado sem ter sexo, mas mesmo assim não melhorou”, reclamou.
Algo nessa história chama atenção: a falta de diálogo entre Cleyde e o marido é gritante. Assim como ela, milhares de casais cometem o mesmo erro. O brasileiro geralmente fala sobre sexo, mas de forma leve, quase como brincadeira, só que, quando o assunto é sério, aí a coisa muda de figura.
Existe solução
“É preciso paciência e muita comunicação. Ele precisa entender o que você gosta e receber seu feedback para saber se está acertando. Quando ele erra, entenda que isso já é muito vergonhoso para ele, sem que você precise humilhá-lo. Infelizmente, suspeito que a maneira que tudo se desenrolou deixou não somente você muito frustrada mas ele também muito humilhado”, explicou Renato Cardoso para Cleyde.
E esse conselho não serve apenas para ela. Para a mestre em psicologia e sexóloga Cristina Werner, as características que temos diferentes dos animais são a fala e a cultura. Por isso é importante se comunicar e fazer perguntas durante o ato ou então falar depois o que não foi bom e por que não foi. “O casal tem que ter liberdade para conversar. A mulher precisa falar com o marido. No sexo, é preciso dizer do que gosta ou não”, afirma a especialista.
Para a mulher, é mais difícil “chegar lá” realmente? Fisiologicamente, sim. A explicação é que, enquanto o homem gasta apenas 50 ml de sangue numa ereção completa, a mulher gasta meio litro de sangue para ficar com a pélvis preparada para a relação sexual. Dessa forma, o sangue demora mais a se concentrar naquela região. O homem leva de 1 a 4 minutos para ter orgasmo e a mulher precisa de 12 a 14 minutos.
Segundo a sexóloga, a sexualidade é a marca do casal. “É a única coisa que você não faz com outra pessoa. Então, se o sexo não acontece, o casamento não tem mais sentido, parecem dois irmãos”, ressalta, acrescentando que o casal não deve deixar o diálogo de lado.
Carla* perdeu a virgindade depois do matrimônio, fez tudo dentro dos conformes, mas nos primeiros anos de casamento ela demorava para sentir prazer na hora do sexo. “Por conta da ejaculação precoce que meu esposo tinha, comecei a me sentir frustrada, com pensamentos iguais aos da pessoa que escreveu no blog: Pensava ‘poxa, só ele tem prazer e eu não?’ Mas eu percebia que ele ficava muito decepcionado quando só ele tinha prazer”, conta a entrevistada.
Ela conseguiu convencer o marido a ir ao médico, que disse que o problema dele era psicológico. A partir deste dia, os dois, juntos, procuraram melhorar a relação sexual e hoje têm um casamento completo. “Eu deixei os pensamentos negativos de lado e comecei a ser mais paciente. Quando quero algo, já fico pensando durante o dia. Tento me concentrar mais, porque sei que demoro mais do que ele. Também não tenho vergonha de pedir para ele fazer algo que me estimule. Antes, eu tinha. Acho que esse é um dos grandes problemas das mulheres”, observa Carla.
Ela acredita que tudo começa na mente, na concentração, e no entrosamento do casal. “Eu não fico me contaminando com o que as minhas amigas falam, com pornografia ou novas experiências. Eu o amo, sei que ele também me ama e quer que eu sinta prazer. Então, trabalhamos juntos nisso e tem dado certo”, diz.
Não seja um analfabeto sexual
Como na história de Cleyde, muitas mulheres não sentem prazer na cama e chegam a ponto de pensar que não amam mais o parceiro. Mas a sexóloga destaca que, assim que a pessoa compreende a importância do ato sexual no matrimônio, os problemas tendem a desaparecer. “O sexo na mídia aparece de forma jocosa, moralista ou escrachada demais, às vezes até em tom higienista. E difícil achar alguém que fala sobre sexo com naturalidade. Mas o sexo foi legitimado por Deus. Nosso organismo foi programado para dar e sentir prazer”, conclui.
O sexo no seu casamento merece uma chance
• Invista nas preliminares
• Converse com o seu parceiro e não seja agressiva. Comece pelos assuntos do dia a dia, do trabalho e depois fale sobre suas dúvidas e sugestões
• Criem momentos para o prazer. Para quem tem dificuldade com isso, o primeiro passo sempre é complicado. Então, aproveite as datas, aniversário de casamento, Ano-Novo, etc
• Procure informações e não tenha vergonha de pedir ajuda
• No site www.casamentoblindado.com/sexo há dicas importantes para o casal melhorar o desempenho na cama
• O DVD “Sexo em um Casamento Blindado” é uma ótima opção para os casais tirarem dúvidas e resgatarem o bom sexo no casamento. Adquira pelo site arcacenter.com.br/lancamentos/dvd-sexo-no-casamento-blindado.html
* Nome fictício a pedido da entrevistada

Nenhum comentário:

Postar um comentário